Posts Tagged ‘ IMPROVISO ’

ABAYOMY AFROBEAT ORQUESTRA

ABAYOMYé uma palavra de origem Iorubá, que significa “encontro feliz”. De fato,não haveria expressão conseguisse traduzir melhor a essência da ABAYOMY AFROBEAT ORQUESTRA.

O grupo nasceu no aniversário do mestre Fela Kuti, especialmente para a primeira edição do FELA DAY – Evento internacional que celebra o nascimento do nigeriano criador doAfrobeat no Rio de Janeiro.
Da qualidade no encontro festivo de amigos admiradores de Fela Kuti, a surgiu necessidade de dar continuidade a Orquestra para aproveitar este legado musical que está tão presente no trabalho de diversos artistas brasileiros e ao mesmo tempo é tão pouco explorado.

A Abayomy é formada por 12 músicos que movimentam a cena carioca e tem como base criativa a música dos mais diferentes estilos: Fábio Lima (Sax Tenor), Mônica Ávila (Sax Alto), Leandro Joaquim (Trompete), Marco Serragrande (Trombone), Donatinho (Teclados), Gustavo Benjão (Guitarra), Victor Gottardi (Guitarra), Pedro Dantas (Baixo), Alexandre Garnizé (Percussão), Cláudio Fantinato (Percussão), Rodrigo La Rosa (Percussão), Thomas Harres (Bateria) abusam de suas referências brasileiras e genialidade em arranjos vivos, calcados na força doafrobeat, com suas levadas hipnóticas, de grooves infinitos.

Em seu repertório, além de composições próprias e covers de clássicos do afrobeat, não faltam versões para composições de artistas como Jorge Ben, Marku Ribas, Antônio Carlos & Jocafi, Moacir Santos e outros diretamente inspirados nas raízes rítmicas africanas.

O Show é um verdadeiro passeio por essas sonoridades marcantes. Passeio em que tanto o público quanto os integrantes da ABAYOMY AFROBEAT ORQUESTRA criam, através da música, um caminho que os conduz diretamente à África.

Anúncios

PAULO MOURA – 1932-2010

No dia 06 de março deste ano, o Centro de Referência da Música Carioca homenageou o músico e maestro Paulo Moura, dando seu nome ao palco-auditório do órgão.

Paulo deu uma canja ao lado os músicos Humberto Araújo (ex-aluno), Carlos Malta e Gabriel Gross. O público presenciou um dos mais belos momentos da música instrumental brasileira proporcionado pelo inesquecível mestre e maestro, que faleceu no último dia 12.

1 x 0 (Pixinguinha), Noites Cariocas (Jacob do Bandolin)

BODEGA, HERÓIS E SANTOS

(no player Água com açúcar)

Como disse na apresentação, este blog se propõe a divulgar os trabalhos de gente desconhecida ou pouco conhecida. Nessa aventura que é navegar em busca do novo, do pouco ouvido, ratifico a impressão de que a grande inquietude do mundo da música está bem mais exposta. Isso não significa, contudo, que esse material esteja acessível nas pesquisas e, principalmente, nos principais órgãos de divulgação de música. Ao mesmo tempo, há outro número, tão grande quanto, de artistas cujo trabalho sequer chegou a ser registrado em sua época, por falta de recursos e tanbém pelo desinteresse dos monopólios do mercado fonográfico.

O projeto do blog é publicar esse material recebido ou pesquisado, sem a preocupação de tornar-se uma agenda, um dicionário (existem ótimos sites para esse fim, alguns linkados aqui). O que importa é apontar a existência do artista de uma forma livre, levando ao conhecimento de um público maior e diferente daquele a que normalmente se dirige, para que o ouvinte faça sua própria avaliação do trabalho apresentado. São heróis e, mesmo santos, que devem ser ouvidos.

A certeza de que o caminho escolhido  é o correto é demonstrada  pelo acesso diário ao post sobre Zé Bodega, o maior saxofonista brasileiro, sobre quem pouco se fala e de quem sequer encontrou-se um filme para postar. Foi transcrito o precioso texto do musicólogo Zuza Homem de Mello, que tornou-se o post com maior número de acessos diários e  totais. São centenas de pessoas que nunca tiveram acesso à informações sobre o músico chegando aqui a partir de pesquisas genéricas via Google.  Registro no player acima  a música Água com açúcar (destacada no texto, com três andamentos cada vez mais rápidos) numa bela interpretação por sugestão do leitor Joselito Rocha.

Outra curiosidade cerca, também,  o blog em inglês dedicado a artistas de outros países. Em junho do ano passado foi postado um texto  sobre o cantor e compositor dinamarquês N*Grandjean ou Nickolaj Grandjean. Poucas informações foram encontradas sobre seu trabalho, exceto o próprio site, e algum material em dinamarquês, sem  qualquer menção sobre seu trabalho no Brasil. Hoje, a música apresentada no post  Heroes and saints –  faz parte da trilha sonora da novela Viver a vida, tema de personagem principal. Coincidência ou não, ratifica que o método está correto.  O projeto, então, segue em frente para ficar melhor, porque a missão ainda não está cumprida.

EDUARDO GUEDES TRIO

Já publiquei aqui material sobre o guitarrista Eduardo Guedes que se apresenta nesta 6a. na Cinemathèque (Projeto Sexta no Jardim). Segue uma entrevista concedida ao blog do projeto.
SnJ: Fale um pouco da sua maneira de tocar. Você compõe? Como você constrói seus improvisos?
Eduardo: Sempre procurei tocar de uma forma espontânea, procurando motivos melódicos e climas diferentes. Quando vou improvisar procuro não me prender a paradigmas teóricos, mas sim a alguma idéia interessante. Fazer arte é fundamental!
Eu componho sim, mas ainda não coloquei nenhuma das minhas músicas neste trabalho de trio de jazz, isto porque a maioria das músicas que faço não são deste estilo.
SnJ: Como é seu processo de estudo?
EG: Bem, meu estudo é mais dedicado à improvisação propriamente dita. Eu divido minhas “tarefas de estudo” em dois grupos principais.
São eles:
1- Estudo da técnica: é onde procuro me exercitar de modo que eu esteja preparado para tocar com espontaneidade uma idéia musical sem me ver tolhido por algum tipo de limitação técnica. Não estudo técnica para decorar algo e fazer com velocidade, estudo técnica para ter fluência no instrumento.
2- Estudo sobre situações harmônicas: é onde procuro dominar o máximo de situações harmônicas em qualquer tonalidade. O importante não é decorar uma frase para determinados acordes, mas sim ter a capacidade de criar frases, ou motivos simples, de maneira espontânea para situações harmônicas diversificadas.
…e, claro, que tem uma intersecção nisso, aí é que é a questão do estudo sobre ritmos que está envolvido nos dois cenários.
SnJ: Quais são as vantagens e desvantagens de tocar em trio?
EG: Não vejo desvantagem alguma em tocar de trio (guitarra, baixo e bateria). Só vejo vantagens, pois é uma formação onde o guitarrista fica livre para criar frases e substituir caminhos harmônicos, usar e abusar da dinâmica sem a ditadura dos acordes de 10 notas que te obrigam a seguir argumentos que não eram os que você pretendia. O “bate bola” com o baixo acústico e a bateria muito bem tocados como o Paulo Diniz e o Fábio Cavalieri o fazem é algo muito especial para mim.

SnJ: Fale um pouco da sua maneira de tocar. Você compõe? Como você constrói seus improvisos?
Eduardo: Sempre procurei tocar de uma forma espontânea, procurando motivos melódicos e climas diferentes. Quando vou improvisar procuro não me prender a paradigmas teóricos, mas sim a alguma idéia interessante. Fazer arte é fundamental!
Eu componho sim, mas ainda não coloquei nenhuma das minhas músicas neste trabalho de trio de jazz, isto porque a maioria das músicas que faço não são deste estilo.

SnJ: Como é seu processo de estudo?
EG: Bem, meu estudo é mais dedicado à improvisação propriamente dita. Eu divido minhas “tarefas de estudo” em dois grupos principais.
São eles:
1- Estudo da técnica: é onde procuro me exercitar de modo que eu esteja preparado para tocar com espontaneidade uma idéia musical sem me ver tolhido por algum tipo de limitação técnica. Não estudo técnica para decorar algo e fazer com velocidade, estudo técnica para ter fluência no instrumento.
2- Estudo sobre situações harmônicas: é onde procuro dominar o máximo de situações harmônicas em qualquer tonalidade. O importante não é decorar uma frase para determinados acordes, mas sim ter a capacidade de criar frases, ou motivos simples, de maneira espontânea para situações harmônicas diversificadas.
…e claro que tem uma intercecção nisso, aí é que é a questão do estudo sobre ritmos que está envolvido nos dois cenários.

SnJ: Quais são as vantagens e desvantagens de tocar em trio?
EG: Não vejo desvantagem alguma em tocar de trio (guitarra, baixo e bateria). Só vejo vantagens, pois é uma formação onde o guitarrista fica livre para criar frases e substituir caminhos harmônicos, usar e abusar da dinâmica sem a ditadura dos acordes de 10 notas que te obrigam a seguir argumentos que não eram os que você pretendia. O “bate bola” com o baixo acustico e a bateria muito bem tocados como o Paulo Diniz e o Fábio Cavalieri o fazem é algo muito especial para mim.

PIANO DUO

O Duo é a realização de um projeto pianístico de Carlos Roberto de Oliveira e Eva Gomyde que procura explorar toda a potencialidade melódica, harmônica, rítmica, percussiva e também orquestral que o piano proporciona.
O trabalho é dirigido no sentido de tirar proveito da riqueza da Musica Popular Brasileira, que, com toda a sua diversidade, proporciona arranjos elaborados pelos próprios pianistas com os mais variados matizes sonoros, que o Duo procura ressaltar.
Entre os compositores brasileiros destacam-se temas de Tom Jobim, Ernesto Nazareth, Pixinguinha, Egberto Gismonti, Milton Nascimento, Dom Salvador, Ivan Lins, etc, como também temas dos próprios pianistas.
Quanto à execução, as suas formações clássica e jazzística lhes permitem desenvolver um trabalho musical na busca de um aprimoramento da sonoridade e da dinâmica pianística.
Trabalho inédito no Brasil, esse Duo de pianos representa um desafio aos artistas na medida em que as mais variadas dificuldades tem que ser superadas, passando pela realização dos arranjos com roupagem moderna até a disponibilidade de salas que acomodem os instrumentos.
Para comprar Maritaca Discos

http://www.pianoduo.com.br

Projeto Axial – música eletrônica do Brasil

Vamos fazer náo-música como solução ou alternativa para o som sem sentifo deste começo de século. Ou de outro modo, vamos ouvir e fazer a mesma música que se fazia há mais de 50 anos atrás. Em meio a tudo isso, há um grande medo de que não haja opções para se fazer algo novo, que induz a se produzir música só para ganhar dinheiro, adequando-se ao mercado fonográfico, já bastante restrito.
Apesar disso mutos músicos pesquisam e fazem música diferente, muitas experiências no exterior e muitas outras para fazer e tocar no Brasil.
Eu conheci o Projeto Axioma no Tim Festival, no Rio de Janeiro, em 2007. Uma cantora de voz delicada, Sandra Ximenez, um tecladista e “tocador de computador” , Felipe Julián e o saxofonista Leonardo Muniz Corrêa, me impressionaram ao associar a música folclórica brasileira, as cantigas do baiano Elomar, a literatura de Guimarães Rosa, à música eletrônica. Nada parece artificial ou estranho, como poderá ser visto em seus dois primeiros discos, Axial, 2004 e Senóide, 2007, que podem ser baixados livremente no site do conjunto. No momento, finalizam o novo disco, aceitando opiniões e sugestão dos fãs sobre as novas músicas, que merecem ser aguardadas com toda a expectativa que os bons trabalhos requerem.

Trincheira aberta antes de Michel Legrand

A vida sem uma trilha sonora não tem a menor graça (tico d’godoy)

Boa reflexão, mas eu arremataria que com uma boa trilha sonora a vida, além de ter graça, ganha uma outra significação. Algo que o artista nos revela e do que nos apropriamos em nosso dia a dia sob a forma de emoções. Eis a chave do encantamento.
É com essa compreensão que o maestro e compositor Michel Legrand e sua esposa harpista Catherine Michel serão saudados na apresentação em São Paulo, no próximo dia 22.
A banda responsável por abrir o show tem o nome de TRINCHEIRA’S JAZZ e como aparece no site da banda, fazem “MPB, Jazz, som de primeira, arranjos bacanas e nada de milhões de improvisos com 15 minutos, um ou outro bem distribuídos durante o som”.
O grupo paulistano é formado por Henrique Pereira (baixo), Janete D’Alonso (piano) Percio Sápia (bateria) Débora De Aquino (sax) e Tico d’Godoy´(sax). Prometem fazer o trabalho de sempre, mesmo emocionados pela responsabilidade com que encaram a missão. A verdade é que este momento renderá emoções ao grupo e à platéia, que entrará em contato com músicos competentes que vivem a música, como pode ser visto no vídeo abaixo.
O evento faz parte do projeto Sala do Professor Buchanann’s, conduzido por Daniel Daiben (ver post abaixo) e será transmitido ao vivo pela Rádio Eldorado FM21:00 às 21:30 – CLAM FOREVER (Trincheira), ao vivo pela rádio
21:40 às 22:40 – MICHEL LEGRAND, ao vivo pela rádio
22H50 AS 23H40 – MICHEL LEGRAND, para quem estiver no Bourbon
BOURBON STREET – Rua dos Chanés, 127 – Moema, São Paulo – SP