Posts Tagged ‘ CHULA ’

PEDRO MIRANDA lança PIMENTEIRA, novo CD

A geração de sambistas que revitalizaram o gênero na Lapa (Rio de Janeiro) já não pode ser chamada de nova geração. Mais de uma década é passada desde que os primeiros se reuniram em botecos promovendo rodas de samba e choro. E, sim, o veterano Pedro Miranda estava entre estes se apresentando no grupo Semente, no bar pioneiro do mesmo nome, resgastando do “limbo do esquecimento” grandes nomes do samba brasileiro.
Hoje esse grupo de artistas começa a apresentar o próprio trabalho autoral como neste segundo disco de Pedro. Sua voz sem impostação que cometeu duetos perfeitos com Teresa Cristina, dedica-se a composições, com claras referências aos grandes compositores do gênero, mas com a atualidade necessária, afinal são outros tempos.
O show de lançamento será no próximo dia 3, no Teatro Rival, às 19h:30. Para ouvir e obter maiores informações é só visitar a página de Pedro no myspace. O vídeo fica por conta de um dos ótimos duetos com Teresa Cristina. (crítica do CD no Algo a Dizer)

Anúncios

RODA DE SAMBA – PEDRA DO SAL

No século XVII, baianos se instalaram no que é hoje o bairro da Saúde no Rio de Janeiro, próximo ao porto, e no entorno da Pedra da Prainha, hoje conhecida como Pedra do Sal.
Os pretos escravos e forros se instalaram na região, então à beira-mar, trazendo sua cultura, criando um núcleo em cujos quintais ocorreram as primeiras festas onde se cantou o samba. Nos degraus esculpidos na rocha aos pés do Morro da Conceição, nos botecos, nos trapiches, encontravam-se Donga, Pixinguinha, João da Baiana, Heitor dos Prazeres, e outros nomes ligados ao surgimento do samba.
Com tanta história, quatro séculos depois o local abençoa mais uma roda-de-samba no Rio de Janeiro, criada, há dois anos, por iniciativa do grupo de samba Batuque na Cozinha.
Entre oito e dez músicos interpretam sambas representativos, dos principais compositores do gênero, com direito a um set de sambas de roda e chulas baianos, como pode ser visto nos vídeos abaixo.

A sonorização que atende apenas aos instrumentos impõe ao público a aproximação da roda, para ouvir as músicas e dançá-las, criando o clima necessário para esse tipo de encontro.
A roda acontece todas as 2as. Feiras, a partir das 19:00 no Largo João da Baiana, aos pés da pedra do Sal. Às 4as. no mesmo horário ocorre a Roda de Samba na Fonte, dedicada a sambas inéditos, como já publiquei aqui e em inglês.

Boneca (chula domínio público)

Acreditar (Dona Ivone Lara) e Senhora Tentação (Silas de Oliveira)

ROBERTO MENDES – a Bahia bem além do chiclete

Roberto Mendes nasceu em Santo Amaro e é um excelente compositor e violonista brasileiro. É grande conhecedor da chula que é um ritmo característico do Recôncavo Baiano, uma espécie de samba de roda, que se tornou mais conhecido no Brasil através de algumas gravações de santamarenses famosos, como Caetano e Bethânia, e mais recentemente com Carlinhos Brown. Algumas chulas, inclusive, têm sido tocadas em rodas de samba no Rio de Janeiro, como é o caso da Roda de Samba da Pedra do Sal, que será objeto de um post em breve.
Sobre o violonista e compositor Maria Bethânia escreveu (cf. Dicionário Cravo Albin):”Roberto Mendes, certamente um músico fora do comum, extraordinário, apegado e apaixonado pela sua gente, sua terra, sua água tão limpa e única, e tão apodrecida hoje com a desculpa do progresso. Progresso miserável matando seus rios, peixes, mariscos… Progresso de chumbo que corrói o solo bendito de tantos canaviais. Ao inferno todos os perversos que iludiram e iludem a “cidade e o rio”, donos dos sons e sabores que aqui na música única de Roberto sente-se, respira-se e saboreia-se. Uma foto do Brasil real, não o virtual e inútil, na nossa cara, entrando pelas narinas, poros e goelas. O “auxílio luxuoso” dos mestres (Guinga, Lenine, Alcione, Pedro Luís e Marco Pereira) que aqui vieram, reafirmam o que digo, penso, choro e com que me delicio. A música ainda pode nos salvar de todo o mal. Bravo e obrigada, Roberto!”
Mais sobre Roberto.

Anúncios