Posts Tagged ‘ Afrobeat ’

ABAYOMY AFROBEAT ORQUESTRA

ABAYOMYé uma palavra de origem Iorubá, que significa “encontro feliz”. De fato,não haveria expressão conseguisse traduzir melhor a essência da ABAYOMY AFROBEAT ORQUESTRA.

O grupo nasceu no aniversário do mestre Fela Kuti, especialmente para a primeira edição do FELA DAY – Evento internacional que celebra o nascimento do nigeriano criador doAfrobeat no Rio de Janeiro.
Da qualidade no encontro festivo de amigos admiradores de Fela Kuti, a surgiu necessidade de dar continuidade a Orquestra para aproveitar este legado musical que está tão presente no trabalho de diversos artistas brasileiros e ao mesmo tempo é tão pouco explorado.

A Abayomy é formada por 12 músicos que movimentam a cena carioca e tem como base criativa a música dos mais diferentes estilos: Fábio Lima (Sax Tenor), Mônica Ávila (Sax Alto), Leandro Joaquim (Trompete), Marco Serragrande (Trombone), Donatinho (Teclados), Gustavo Benjão (Guitarra), Victor Gottardi (Guitarra), Pedro Dantas (Baixo), Alexandre Garnizé (Percussão), Cláudio Fantinato (Percussão), Rodrigo La Rosa (Percussão), Thomas Harres (Bateria) abusam de suas referências brasileiras e genialidade em arranjos vivos, calcados na força doafrobeat, com suas levadas hipnóticas, de grooves infinitos.

Em seu repertório, além de composições próprias e covers de clássicos do afrobeat, não faltam versões para composições de artistas como Jorge Ben, Marku Ribas, Antônio Carlos & Jocafi, Moacir Santos e outros diretamente inspirados nas raízes rítmicas africanas.

O Show é um verdadeiro passeio por essas sonoridades marcantes. Passeio em que tanto o público quanto os integrantes da ABAYOMY AFROBEAT ORQUESTRA criam, através da música, um caminho que os conduz diretamente à África.

Anúncios

Como gostamos de funk


Surgido há 10 anos juntos na periferia de São Paulo, dez músicos formaram o Funk Como Le Gusta, com uma aplicada formação musical dedicada ao Funk, ao Samba-Soul e aos ritmos latinos e populares.
A trajetória tem sido marcante, sendo mágicos os encontros criados pela banda e seus ilustres convidados. Inesquecíveis foram as participações especiais de Jorge Benjor, Elza Soares, Gerson King Combo, Fernanda Abreu, Thaíde, DJ Marky, Sandra de Sá, Maria Alcina, Marcelo D2, Seu Jorge e muitos outros. Continue lendo

A ÁFRICA MANDA

FELA KUTI
(trecho da música Expensive Shit, do álbum do mesmo nome, 1976)

A Nigéria é o país mais populoso da África com mais de 141 milhões de habitantes, conforme estimativa da ONU em 2006.  Um dos maiores produtores de petróleo do mundo é um país marcado por violentos e sucessivos conflitos políticos, miséria e pela AIDS, endêmica.  Em menos de vinte anos, a Nigéria tornou-se o segundo maior produtor de cinema do mundo, ficando atrás da Índia e à frente dos Estados Unidos. Com o detalhe de que a produção é realizada em vídeo para uso doméstico no país que praticamente não possui salas de cinema. Sem dúvida,  esse país é suficiente para prover tratados e pesquisas nos vários ramos das Ciências Humanas,  por décadas, para entender-se tamanhas idiossincrasias.

Essa brevíssima contextualização é necessária situar um fenômeno musical importante surgido a partir da Nigéria.

Foi em 1968 que um nigeriano, Fela Anikulapo Kuti, nascido em Abeokuta (1938) apresentou o afro-beat. Após uma tournê pelos Estados Unidos, o trumpetista, cantor, tecladista, maestro retornou à Nigéria apresentando uma sonoridade complexa que associava os ritmos e cantos africanos ao jazz, com letras engajadas em pidgrin Nigeriano e eventualmente em yoruba. Continue lendo