Archive for the ‘ Vozes – Mundo ’ Category

SÓ DÁ COCO NO VERÃO DE LONDRES

coco sumner

A filha de Sting, Eliot Pauline Styler Sumner, Coco Sumner, com sua banda I Blame Coco, está preparando seu álbum de estréia, sob contrato com a major Island Records/Universal.
Já conhecida na Inglaterra, Coco possui uma voz muito parecida com a do pai, como poderá ser percebido ao se ouvir a faixa The Constat, no site da banda.
Isso não importa muito para banda cujo som é descrito como ska, folk e punk, e cujas influências vão de Cole Porter a Dr Dre.
Pelas informações disponíveis não é possível perceber o real propósito da banda, Coco (Guitarra/Vocais) e seus parceiros Al Shux (Guitarra), Octave( Baixo) Ben Jones (Bateria) and Emlyn Maillard – teclados/sintetizador.
O que conta, no entanto, é que uma jovem bonita de 19 anos, com voz rouca e lembrando o visual de Malu Magalhães, tem feito sucesso neste verão de Londres. O material apresentado no site ou no youtube não é suficiente para atribuir alguma significação especial ou aumentar a expectativa para esse primeiro disco.

Anúncios

A ÁFRICA MANDA

FELA KUTI
(trecho da música Expensive Shit, do álbum do mesmo nome, 1976)

A Nigéria é o país mais populoso da África com mais de 141 milhões de habitantes, conforme estimativa da ONU em 2006.  Um dos maiores produtores de petróleo do mundo é um país marcado por violentos e sucessivos conflitos políticos, miséria e pela AIDS, endêmica.  Em menos de vinte anos, a Nigéria tornou-se o segundo maior produtor de cinema do mundo, ficando atrás da Índia e à frente dos Estados Unidos. Com o detalhe de que a produção é realizada em vídeo para uso doméstico no país que praticamente não possui salas de cinema. Sem dúvida,  esse país é suficiente para prover tratados e pesquisas nos vários ramos das Ciências Humanas,  por décadas, para entender-se tamanhas idiossincrasias.

Essa brevíssima contextualização é necessária situar um fenômeno musical importante surgido a partir da Nigéria.

Foi em 1968 que um nigeriano, Fela Anikulapo Kuti, nascido em Abeokuta (1938) apresentou o afro-beat. Após uma tournê pelos Estados Unidos, o trumpetista, cantor, tecladista, maestro retornou à Nigéria apresentando uma sonoridade complexa que associava os ritmos e cantos africanos ao jazz, com letras engajadas em pidgrin Nigeriano e eventualmente em yoruba. Continue lendo